Globo Repórter – Tradição das festas juninas – Sessão TV.br
23 jun, 2011

Posted by | 0 Comments

Globo Repórter – Tradição das festas juninas

O programa desta sexta-feira, dia 24/06/11, vai mostrar a noite de São João, nossa equipe acompanhou os preparativos e os bastidores dessa grande festa popular.

Globo Repórter

Nesta sexta-feira (24 de junho), dia de São João, o Globo Repórter mostra os preparativos e os bastidores das festas juninas brasileiras, uma das maiores manifestações de nossa cultura, presente em todos os estados. Apesar de ser uma festa de abrangência nacional, cada estado tem as suas peculiaridades indo de quadrilhas super requintadas com roupas caras e trabalhadas no Ceará, à quadrilhas com bonecos gigantes e misturada com frevo em Pernambuco.

 

Festa Junina

Festas juninas ou festa de São João são celebrações que acontecem em vários países historicamente relacionadas com a festa pagã do solstício de verão, que era celebrada no dia 24 de junho, segundo o calendário juliano (pré-gregoriano) e cristianizada na Idade Média como “festa de São João”.

As Quadrilhas

A quadrilha brasileira tem o seu nome de uma dança de salão francesa para quatro pares, a “quadrille”, em voga na França entre o início do século XIX e a Primeira Guerra Mundial. A “quadrille” francesa, por sua parte, já era um desenvolvimento da “contredanse”, popular nos meios aristocráticos franceses do século XVIII. A “contredanse” se desenvolveu a partir de uma dança inglesa de origem campesina, surgida provavelmente por volta do século XIII, e que se popularizara em toda a Europa na primeira metade do século XVIII.
Quadrilha Junina da Festa do São Pedro de Belém (Paraíba)

A “quadrille” veio para o Brasil seguindo o interesse da classe média e das elites portuguesas e brasileiras do século XIX por tudo que fosse a última moda de Paris (dos discursos republicanos de Gambetta e Jules Ferry, passando pelas poesias de Victor Hugo e Théophile Gautier até a criação de uma academia de letras, dos belos cabelos cacheados de Sarah Bernhardt até ao uso do cavanhaque).

Ao longo do século XIX, a quadrilha se popularizou no Brasil e se fundiu com danças brasileiras pré-existentes e teve subsequentes evoluções (entre elas o aumento do número de pares e o abandono de passos e ritmos franceses). Ainda que inicialmente adotada pela elite urbana brasileira, esta é uma dança que teve o seu maior florescimento no Brasil rural (daí o vestuário campesino), e se tornou uma dança própria dos festejos juninos, principalmente no Nordeste. A partir de então, a quadrilha, nunca deixando de ser um fenômeno popular e rural, também recebeu a influência do movimento nacionalista e da sistematização dos costumes nacionais pelos estudos folclóricos.

O Globo Repórter vai ao ar amanhã, sexta-feira, dia 24/06. Assista a chamada para o programa aqui:

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: