Globo Repórter mostra o que muda na nova China – Sessão TV.br
26 nov, 2010

Posted by | 0 Comments

Globo Repórter mostra o que muda na nova China

Nesta sexta-feira, 26/11/10, você vai conhecer as belezas da Grande Muralha da China, a leveza do templo suspenso e a surpreendente caverna dos Budas gigantes.

Neste Globo Repórter, você vai conhecer as mudanças da nova China, um país que apresenta um dos maiores crescimentos econômicos do mundo, sem abandonar suas tradições.

Veja as belezas da Grande Muralha, uma das grandes maravilhas do mundo. Conheça a leveza do templo suspenso e a surpreendente caverna dos Budas gigantes. Descubra a farmácia das mil ervas e o mistério das curas chinesas através das plantas, massagens e acupuntura.

A Grande Muralha da China

A muralha começou a ser erguida por volta de 221 a.C. por determinação do primeiro imperador chinês, Qin Shihuang. Embora a Dinastia Chin não tenha deixado relatos sobre as técnicas construtivas que empregou e nem sobre o número de trabalhadores envolvidos, sabe-se que a obra aproveitou uma série de fortificações construídas por reinos anteriores, sendo o aparelho dos muros constituído por grandes blocos de pedra ligados por argamassa feita de barro e pasta de farinha de arroz com cal hidratada. Com aproximadamente três mil quilômetros de extensão à época, a sua função era a de conter as constantes invasões dos povos ao Norte

Com a morte do imperador Qin Shihuang, iniciou-se na China um período de agitações políticas e de revoltas, durante o qual os trabalhos na Grande Muralha ficaram paralisados. Com a ascensão da Dinastia Han ao poder, por volta de 206 a.C., reiniciou-se o crescimento chinês e os trabalhos na muralha foram retomados ao longo dos séculos até ao seu esplendor na Dinastia Ming, por volta do século XV, quando adquiriu as atuais feições e uma extensão de cerca de sete mil quilômetros, estendendo-se de Shanghai, a leste, a Jiayu, a oeste, atravessando quatro províncias (Hebei, Shanxi, Shaanxi e Gansu) e duas regiões autônomas (Mongólia e Ningxia).

A magnitude da obra, entretanto, não impediu as incursões de mongóis, xiambeis e outros povos que ameaçaram o império chinês ao longo de sua história. Por volta do século XVI perdeu a sua função estratégica, vindo a ser abandonada.

De olho no futuro, a China procura soluções para os problemas que atingem as grandes cidades, como poluição e trânsito. Um ônibus, por exemplo, pode levar 1,4 mil passageiros. Ele foi projetado para funcionar como uma espécie de túnel em movimento.

Tudo isso você vê no Globo Repórter do dia 26 de novembro de 2010.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: